O tamanho do espaço com relação ao tamanho do ser humano

2 Curtidas Comentar
O tamanho do espaço com relação ao tamanho do ser humano

Se você olhar o céu a noite certamente sentirá um pouco de vazio. É impossível pensar no tamanho do universo e não refletir sobre a própria insignificância. Para uma pessoa, o universo é infinito. De fato não se sabe ao certo qual é o tamanho do universo e é provável que isso continue sendo um mistério. Mas já existem estudos que podem nos dar uma noção de quão grande ele realmente é.

Quão grande?

Os cientistas medem o tamanho do universo em inúmeras maneiras diferentes. Eles podem medir as ondas do universo primitivo, conhecidas como oscilações acústicas bariônicas, que enchem o fundo de micro-ondas cósmicas. Eles também podem usar técnicas padrão, como supernovas de tipo 1A, para medir distâncias. No entanto, esses diferentes métodos de medir distâncias podem fornecer respostas.

Por exemplo, já sabe-se que o universo está se expandindo ou inflando e essa expansão não é constante, na verdade ela está mudando.

Em vez de tomar um método de medição, uma equipe de cientistas liderada por Mihran Vardanyan na Universidade de Oxford fez uma análise estatística de todos os resultados. Ao usar a média do modelo Bayesiano, que se concentra em quão provável é que um modelo seja correto, dado os dados, em vez de perguntar o quão bem o próprio modelo se adequa aos dados. Eles descobriram que o universo é pelo menos 250 vezes maior do que o universo observável, ou pelo menos 7 trilhões de anos-luz.

Para alguém que não está acostumado com esse tipo de medida, podemos adiantar que trata-se de algo enorme. Eu sei que isso pode parecer vago demais, por isso vamos dar alguns exemplos.

Para você ter noção de quão grande é o universo, imagine que a terra, o nosso planeta, é um formigueiro e a galáxia onde esse formigueiro se encontra, seria a terra. Agora note que estamos falando de apenas uma galáxia em um universo de bilhões de galáxias.

De forma resumida, podemos dizer que o nosso planeta é insignificante demais para ser comparado com o tamanho do universo ou com o tamanho de uma pessoa. Compara o tamanho da terra com o tamanho de uma pessoa, seria o mesmo que compara a distância entre o seu olho e o seu nariz com a distância entre a terra e o sol.

Então, como o universo surgiu?

Embora o aumento dos métodos avançados de astronomia ainda não tenha determinado com precisão o tempo e as formas de criação do universo, a observação de galáxias, muitos bilhões de anos, permitiu que os cosmólogos desconstruíssem o processo, cujo catalisador, designado “Teoria do Big Bang”, ocorreu aproximadamente há 15 bilhões anos.

Teoria do Big Bang
Criada em 1931, a teoria do Big Bang diz que o Universo começou a partir de um ponto extremamente denso e que, ao explodir, criou o cosmos em expansão que conhecemos.

A origem, não necessariamente do universo, mas o que talvez seja mais precisamente designado a dimensão física, ocorreu quando uma bola única, densamente empacotada de matéria, energia e espaço atingiu temperaturas insondáveis ​​e explodiu cataclísmicamente, cobrindo uma área do tamanho de nosso sistema solar em apenas alguns minutos após a sua liberação. Antes de se condensar em partículas subatômicas, manifestava-se como um leve brilho de radiação chamado fundo de micro-ondas cósmicas. Coletando e resfriando, esta matéria tomou sua primeira forma de galáxias e estrelas primitivas, mas continuou a expandir-se como um todo.

Estima-se que nosso próprio sistema solar tenha sido criado há cinco bilhões de anos, altura em que o universo era dois terços do seu tamanho atual. Após milênios de coesão, o próprio universo consiste em planetas, planetas anões, luas, satélites, asteroides, meteoritos, cometas e meio interplanetário, que em si é composto de gás e poeira.

Galáxia de Andrômeda
É assim chamada, de Andrômeda, devido a proximidade da Constelação de Andrômeda, cujo termo é oriundo da Princesa da mitologia Andrômeda, filha de Cefeu.

A conceitualização de algo tão praticamente infinito como o universo por um homem de capacidade cerebral limitada, é difícil, mas o próprio universo pode ser subdividido nas galáxias, aglomerados de galáxias e grupos de superaglomerados.

As estimativas atuais concluem que existem dezenas de bilhões de galáxias no universo observável, das quais a Andrômeda (foto ao lado) é visível a olho nu do hemisfério norte e duas pequenas galáxias de satélite são observáveis do hemisfério sul: as grandes e pequenas nuvens de Magalhães.

O universo terá um fim?

A análise da origem do universo conduz naturalmente à especulação de seu fim, se houver. Alguns acreditam que todas as galáxias vão se afastar até perderem velocidade, deixarem de se mover e, em seguida, voltarem a cair, até que todas as coisas voltem a entrar em uma única bola, o que inverte a dinâmica do Big Bang. Alternativamente, designou a “teoria oscilante do universo” ou a teoria do “Bang-Bang-Bang“, isso implicaria uma reação em cadeia de explosão, recessão e remissão a cada dez bilhões de anos. Mas sobre isso podemos apenas especular, os mistérios do universo são tão grandes quanto o próprio universo.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *