Desenhos animados que encantaram crianças dos anos 80 e 90

3 Curtidas Comentar
Desenhos animados que encantaram crianças dos anos 80 e 90

Quem nasceu entre os anos 80 e 90 ainda encontra em alguns canais de televisão os bons e velhos desenhos animados na infância. Apesar de muitos não serem mais transmitidos em TV Aberta, dá pra encontrar alguns no Youtube, Netflix e até em vídeo-locadoras.

Hoje a preferência do público infantil tem sido outra, já que elas consomem somente o que é disponibilizado mais facilmente. Então, pra você que é pai, mãe, vô, vó, madrinha, padrinho, babá… confira nossa lista e apresente essas opções para a criança que você cuida. Assim como nós, ela terá diversão garantida.

Tom & Jerry

A história do gato e o rato mais famosa da história foi produzida entre 1940 e 1967 nos Estados Unidos. O centro da trama se baseia geralmente em tentativas frustradas de Tom capturar Jerry, e o caos e a destruição que se segue.

Tom raramente consegue capturar Jerry, principalmente por causa das habilidades do engenhoso ratinho, e também por causa de sua própria estupidez. As perseguições eram eletrizantes e sempre vinham acompanhados por boa trilha sonora. Também eram utilizadas diversas armadilhas como bombas, ratoeiras e truques que no final não davam resultado satisfatório, coisas que eram fundamentais na rivalidade entre o gato e o rato. Alguns personagens também marcam presença na trama como o bulldog Spike e o rival de Tom, o gato Butch.

Tom e Jerry é considerado um desenho animado de humor físico, de enorme popularidade. Com sete óscares de melhor curta de animação no periodo de Hanna-Barbera. Os efeitos sonoros e a trilha musical da série são muito elogiadas pelos fãs das personagens. É considerado o segundo desenho animado mais popular de Hanna-Barbera (perdendo apenas para os Flintstones).

 

As Aventuras de Tintim

Essa animação foi criada em 1929 na Bélgica. O herói da série é o personagem Tintim, um jovem repórter e viajante belga. Ele é auxiliado em suas aventuras desde o início por seu fiel cão Milu (Milou, em francês). Os dois apareceram pela primeira vez em 10 de janeiro de 1929. Mais tarde, o elenco foi expandido com a adição do Capitão Haddock, entre outros personagens pitorescos.

Esta série de sucesso era publicada em semanários e, ao término de cada história, os quadrinhos eram reunidos em livros (23 no total, em 2008). Ela ganhou uma revista própria, de grande tiragem (Le Journal de Tintin) e foi adaptada para versões animadas, para o teatro e também para o cinema. As séries são uma das histórias em quadrinhos européias mais populares do século XX, sendo traduzidas para mais de 50 línguas e tendo mais de 200 milhões de cópias vendidas.

As histórias nas séries de Tintim caracterizam-se tradicionalmente pelo humor em cenas de ação, o que equivale em álbuns posteriores à sofisticada sátira e comentários de cunho político-culturais.

 

Scooby Doo

Scooby-Doo é um desenho animado estadunidense produzido pela Hanna-Barbera, e criado no ano de 1969 por Joe Ruby.

Constituído por um grupo de quatro pessoas metidas a detetives Fred, Velma, Daphne e Salsicha, com um Dogue Alemão falante chamado Scooby-Doo, que viajam numa van chamada Máquina Mistério, e ajudam a investigar casos misteriosos. Visitam lugares inóspitos, casas mal-assombradas, parques abandonados, pântanos e ilhas, a maioria das vezes ameaçados por monstros, zumbis, vilões, mas considerando os episódios, são a maioria das vezes chamados de “fantasmas”, mesmo não sendo.

Os detetives seguem pistas, fogem dos vilões e, muitas vezes, vêem-se perdidos em labirintos, passagens secretas e porões escuros. Dividem-se sempre em dois grupos quando vão procurar pistas: Fred e Daphne vão por um lado, enquanto Salsicha e Scooby acompanham Velma, que, apesar da esperteza e inteligência, vive perdendo seus óculos e se metendo nas confusões de Salsicha e Scooby.

A fórmula dos episódios é sempre a mesma, mas isso não tira o brilho do programa: depois de uma cena de perseguição ou uma sequência musical, e por meio de algum plano ou ideia mirabolante, os vilões sempre são pegos. Estão sempre mascarados e as verdadeiras identidades são reveladas ao tirarem suas máscaras. Por trás delas há sempre o rosto de algum personagem já conhecido na história. Cada vez que são desmascarados, os vilões sempre dizem: “Eu teria conseguido se não fossem por aqueles garotos enxeridos e esse cachorro idiota”. Esse bordão (a tradução para a dublagem quase sempre muda as palavras) faz parte de quase todos os desenhos e filmes realizados.

 

Os Flinstones

No desenho animado, a família Flintstones vive na cidade pré-histórica de Bedrock (“canteiro de pedras”, em inglês). Fred, o chefe da família, trabalha numa pedreira, dirige um carro com rodas de pedra, cuja propulsão são os seus pés, e tem um dinossauro, chamado Dino, como animal de estimação. A família vizinha são seus amigos, o casal Rubble, que possui um híbrido de canguru e dinossauro como animal de estimação, Hoppy. Com o tempo, surgiram Pedrita (Pebbles), a filha dos Flintstones, em 1962, e Bam-Bam, filho adotivo dos Rubbles, em 1963.

A série é construída como uma versão fantástica do passado remoto, com o uso da tração animal e outras tecnologias anteriores à era industrial, e materiais como peles, madeira e pedra, embora os humanos tenham hábitos semelhantes aos de uma família moderna do século XX. Nesse cenário anacrônico, o homem convive com dinossauros e mamutes.

Os Flintstones era, originalmente, uma série direcionada ao público adulto. Nos dois primeiros anos de produção, o desenho era fortemente ligado à marca de cigarros Winston, e as personagens apareciam fumando em anúncios publicitários. A série mudou seu público-alvo para os jovens e crianças a partir da terceira temporada, quando nasceu a personagem Pedrita. O principal patrocinador passara a ser a fabricante de sucos de uva Welsh’s, e os episódios adquiriram uma orientação mais familiar.

Exibida pela primeira vez em 30 de setembro de 1960, Os Flintstones foi a primeira e a mais duradoura série animada de comédia de todos os tempos. Foram seis temporadas. Também foi a primeira animação (2D) a exibir uma história contínua num episódio de meia hora, ao contrário dos desenhos animados até então, bem mais curtos. E mais: foi a primeira série de animação exibida em horário nobre, transformando a empresa Hanna-Barbera Productions, criadora da série, num dos maiores estúdios de Hollywood. A série foi o primeiro desenho do mundo a ser exibido a noite, e por causa do sucesso em 2007, o SBT passou no horário das 21h25.

 

Doug

A série se passa na cidade fictícia de Bluffington, para onde Doug e sua família se mudaram, saindo de Bloatsburg. A animação mostra a vida e as imaginações do personagem título, um estudante chamado Douglas Yancey Funnie. Ao lado de Doug, outros personagens principais são seu cachorro Costelinha, seus amigos, Skeeter Valentine e Patti Mayonnaise, e seu inimigo, Roger Klotz, o valentão da escola. A maioria dos episódios começa com Doug escrevendo no seu diário os fatos mais recentes de sua vida e o episódio exibido acaba por ser um flashback de Doug, que narra os eventos.

A irmã mais velha de Doug, Judy, é uma fonte constante de conflito. Ela é uma atriz dramática (possivelmente uma beatnik) que sempre usa roupa roxa e óculos escuros, até mesmo dentro de casa. A existência de Doug é praticamente ignorada por ela, já que os interesses dele são infantis, aos olhos dela.

Alguns episódios mostram a versão super-herói de Doug, o Homem Codorna. Doug fantasia que é o Homem Codorna, imaginando versões ao estilo quadrinhos dos fatos que vão acontecendo. O Homem Codorna usa um cinto ao redor da cabeça e uma cueca por cima da calça. Skeeter também possui um personagem no estilo, o Mosquito Prateado (uma paródia do Surfista Prateado da Marvel Comics). Sua banda favorita é Os Beets, outra paródia, dessa vez em uma mistura entre Os Beatles e Ramones.

A imaginação de Doug reage a várias situações de sua vida, o ajudando a superar seus medos. Em um episódio, temendo uma visita ao dentista, ele imagina ser um agente secreto ao estilo James Bond, fazendo menção à cena do laser em Goldfinger.

Outro tema recorrente da série é o amor de Doug por Patti. Alguns episódios são focados inteiramente nisso, mostrando tentativas de Doug para se aproximar de Patti, ou de tentar evitar que ela descubra seus sentimentos em relação a ela. Geralmente, esses episódios têm um desfecho mostrando uma esperança otimista para Doug.

Um detalhe notável sobre o design dos personagens é o uso de nomes e cores de pele incomuns. Doug é de pele clara, enquanto seu vizinho Sr. Dink é roxo, Skeeter é verde, Patti é marrom-claro e Roger é verde-claro.

Outras excentricidades incluem a trilha sonora, incluindo a música de abertura, que é constituída de melodias feitas basicamente com vozes, e o uso de sons e barulhos para vários personagens (como Skeeter, que usa um característico ho-ho! como interjeição).

A série foi produzida numa parceria entre a Jumbo Pictures e a Ellipse Programmé para o canal pago Nickelodeon. Cerca de 52 episódios foram produzidos.

O criador Jim Jinkins atualmente trabalha na Disney, no programa Playhouse Disney.

Fonte: Wikipédia

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *